Treinamento

Grupo de Regulação em Resíduos Sólidos da ABAR recebe treinamento na Ferramenta de Rotas Tecnológicas e Custos do ProteGEEr

Por ProteGEEr, publicado em 19.08.21, última modificação em 19.08.21

Na quinta-feira (12/08), a convite da Associação Brasileira de Agências Reguladores (ABAR) o Projeto ProteGEEr apresentou a Ferramenta de Rotas Tecnológicas e Custos para o seu Grupo de Trabalho de Regulação em Resíduos Sólidos. A apresentação foi dividida em duas partes, sendo uma sessão mais conceitual sobre rotas tecnológicas e tecnologias de tratamento e gerenciamento de resíduos adequadas a realidade brasileira, e uma segunda sobre a Ferramenta de Rotas e Custos, suas funcionalidades, premissas, limites e potencialidades. 

A apresentação foi realizada pelo Coordenador da Componente Municipal do ProteGEEr Guilherme Gonçalves e contou com a participação de 17 pessoas da área técnica de algumas das principais agências reguladoras do país, incluindo Adasa - Agência Reguladora de águas, Energia e Saneamento do Distrito Federal, ARBEL - Agência Reguladora Municipal de Belém, AGEAC - Agência Reguladora dos Serviços Públicos do Estado do Acre, ARCE - Agência Reguladora de Serviços Públicos Delegados do Estado do Ceará, AGIR – Agência Intermunicipal de Regulação do Médio Vale de Itajaí, ARES-PCJ - Agência Reguladora PCJ, ARSESP - Agência Reguladora de Serviços Públicos do Estado de São Paulo, ARP/TO - Agência Tocantinense de Regulação.

Após uma etapa minuciosa de testes e validações, a Ferramenta de Rotas e Custos deve nas próximas semanas, ser lançada oficialmente pela Secretaria Nacional de Saneamento do Ministério do Desenvolvimento Regional em parceria com a Agência de Cooperação Alemã para o Desenvolvimento Sustentável (GIZ).

O ProteGEEr junto com a Secretaria Nacional de Saneamento irão intensificar a divulgação da ferramenta para todas as regiões do país com intuito de que os municípios e consórcios brasileiros passem a utilizar a Ferramenta de Rotas nas etapas de planejamento, implementação, aperfeiçoamento e análise de pré-viabilidade técnica e econômica de suas rotas tecnológicas de RSU.